Sobre Negritude e Latinidade

“Entre mim e o outro mundo”, W.E. B. Du Bois escreveu no The Souls of Black Folk (1903), “há sempre uma questão não perguntada... Como é sentir-se ser um problema?” Este Grupo de Trabalho procurará responder a pergunta de Du Bois quanto as formações de negritude e latinidade em discursos contemporâneos da herança cultural. Enfocaremos as múltipas nuances da formulação de Du Bois, incluindo:

1)  a idéia do “problema” – a presença dilacerada das identidades minoritárias e raciais dentro e através de formações nacionais e, em particular, como a lacuna que Du Bois articula “entre mim e o outro mundo” faz um remapeamento das Américas não somente em termos da separação Norte/Sul mas também em termos da divisão da cor --

2) a relevância do sentimento – como é sentir-se ser um problema, e como este estado emocional é representado em vários locais – e –

3)  o “não-perguntado”  -- como a “raça” e o racismo continuam não sendo perguntados e portanto as perguntas não respondidas dentro dos discursos contemporâneos da herança cultural? Como este estado de conhecimento suspenso é experimentado – uma experienência que Du Bois chama de dupla-consciência – através das identidades contemporâneas negras e latinas?

Participantes

Amma y Ghartey-Tagoe, Judith Michelle Williams, Glaisma Perez-Silva, Piers Armstrong, José Muñoz, Maryvonne Neptune, Tavia Nyong'o