Performance, poesia e Ativismo. Agência Cultural

Coordenado por Alai Garcia Diniz

O grupo pretende discutir o processo pelo qual a performance incorpora a poesia, reinventa imagens através do saber corporal e cria um diálogo entre o imaginário e a memória através de diferentes espaços e temporalidades. A proposta do GT é estudar como trazer à baila a memóriacoletiva instalada numa comunidade e recriá-la na literatura do corpo através do canto, da poesia ou da dança. Em caráter diacrônico e sincrônico há um saber imaterial que circula no local e se oferece comomediação transcultural rumo ao global. A performance popular pode incorporar saberes interculturais. Criar pontes entre poesia, ativismo e performance envolve poder, subjetividade ( corpo) e arte. Este olhar revela uma face cultural esquecida que por Daniel Mathews foi cunhada como "cidade cantada" ao estudar a poesia de afro-peruanos. A cidade cantada não se lê como mero contraste com a cidade letrada de Angel Rama mas se oculta na invisibilidade acadêmica ou na exposição cristalizadados meios de comunicação de massa. Propor um outro rumo no estudo da oralidade na literatura através da performance significará remar contraa maré da sociedade do espetáculo ou combinar memória e ativismo cultural, negociação e resistência, pautas de uma agência cultural?

Participantes

Alai G. Diniz, Peter Novak, Aline Quites, Luizete Guimarïes Barros, Antonia Javiera Cabrera Muñoz, Janaína Chavier Silva, Jane Darc Da Silva, George Luiz France, Aline Razzera Maciel