"Domínio do poder" pela mulher indígena: prática performática—Jesusa Rodríguez & Liliana Felipe

enc05_jesusa_liliana_mrc_LG
Photo/Foto: Marlène Ramírez-Cancio

Biografias

Jesusa Rodríguez: Diretora mexicana, atriz, dramaturga, artista performática, cenógrafa, empresária e ativista social, Jesusa Rodríguez foi reconhecida como a mulher mais importante do México. Seus espetáculos desafiam a classificação tradicional, atravessando com facilidade limites genéricos: da elite à massa popular; da tragédia grega ao cabaré; dos índios pré-colombianos à ópera; do revue, esquete e "carpa”, às ações performáticas dentro de projetos políticos. Ela e seu parceiro, um cantor/ator argentino, são proprietários e dirigentes dos seguintes espaços alternativos de performances na cidade do México: El Habito e Teatro de la Capilla. Eles ganharam um Obie como melhor ator em Las Horas de Belén, A book of Hours (1999), com Ruth Meleczech e New York-based Mabou Mines. Rodriguez regularmente contribui para o mais importante periódico feminista do México, Debate Feminista.

Liliana Felipe: Uma das mais reconhecidas cantoras e compositoras da América Latina, nasceu na Argentina nos anos 50. Ela mudou-se para o México pouco antes do começo da Guerra suja (1976), mas sua irmã e cunhado ambos “desapareceram” – vítimas da política criminosa da ditadura militar. No México, Liliana foi a uma das performances de Jesusa Rodríguez. Jesusa, tendo uma visão de Felipe na platéia, lembra ter dito a si mesma: “Eu vou morrer com aquela mulher”. Desde então, Liliana e Jesusa criaram dois espaços para performances, El Cuervo e mais tarde El Habito, que ainda existem. Elas “casaram-se” em Fevereiro de 2000. A música de Liliana tem uma grande variedade de seguidores na América Latina. Ela continua a ser uma presença poderosa na Argentina, trabalhando com organizações de direitos humanos, especialmente H.I.J.O.S. (a organização dos filhos de desaparecidos).