Corpografías

Corpografías

Política dos corpos: Nacionalismo e Espaços de Performance

 

Coordenadoras:

 

Francine A'Ness, PhD, Departamento de Espanhol e Português, Dartmouth College
Mary K. Cofffey, PhD, Departamento de História da Arte, Dartmouth College

Resumo:

Neste Grupo de Trabalho, vamos dar uma olhada histórica sobre os corpos institucionais do Estado e prestaremos atenção aos modos pelos quais eles têm utilizado práticas corporais (performance) e condicionado os espaços públicos para a realização das políticas e dos ideais da Nação. Nossa discussão poderá incluir, mas não ficará limitada a: cerimonial cívico, teatro, festivais, museus, arquitetura, monumentos e meios de comunicação. Estamos especialmente interessadas em trabalhos que considerem as intersecções entre a performance e as formas institucionalizadas de nacionalismo. Isto pode referir-se à maneira pela qual o Esatdo encena o nacionalismo e cria cidadãos; como outros tipos de instituições -- corporações transnacionais, ONGs -- usam a performance para fazer o trabalho do Estado; como os artistas, ativistas e outros grupos vinculam as instituições do Estado e o espaço público para responder a estas performance oficiais com práticas próprias dissidentes ou paródicas.

Biografias:

Francine A'Ness, PhD: Professora Assistente em Espanhol e Português na Dartmouth Collage (Estados Unidos) onde dá aulas de literatura latino-americana, teatro e performance.
Mary K. Cofffey, PhD: Professora Assistente em História da Arte na Dartmouth College (Estados Unidos) onde dá aulas de arte das Américas.

Política dos corpos: Nacionalismo e Espaços de Performance

“Orientes” Latino-Americanos: Américas Latinas Árabes, Asiáticas, e do Pacífico

 

Coordenadora:

Jill Lane

Resumo:

Este Grupo explora as diferentes maneiras pelas quais o "Oriente" (Oriente Médio e seus arredores) e/ou a Ásia têm sido imaginados na e através da performance na América Latina. As Histórias e os contextos que poderemos nos ocupar incluem: a História Colonial compartilhada entre a América Latina e as Filipinas; as Histórias da imigração da força de trabalho chinesa para as Américas na segunda metade do século XIX e as diferentes maneiras pelas quais os Chineses foram ou não foram incluídos nas narrativas da nação e nas práticas de cidadania; Histórias da imigração árabe e hindu nas Américas; e outros contextos históricos relevantes. Nosso objetivo não é re-mapear o "Oriente" na América Latina, mas encontrar pontos de conexão, ou diferença instrutiva em nossas abordagens para com este material: existe uma América Latina Asiática? Como a performance na América Latina tem relacionado, pode ou poderia relacionar orientalismo e racionalização "Asiática" nas Américas.

Biografia:

Professora Assistente de Espanhol e Português na New York University, onde ministra cursos sobre performance nas Américas, em relação às histórias do colonialismo, neocolonialismo e globalização.

“Orientes” Latino-Americanos: Américas Latinas Árabes, Asiáticas, e do Pacífico

Mestizo/a Bodies: Hybridity in Performance

 

Coordenadores:

Antonio Prieto Stambaugh

Resumo:

Corpo colonial, poluído, híbrido, inter-cultural, trans-fronteiriço, oposicional, o corpo mestiço transformou seus repertórios performativos ao longo da ˙istória com diferentes efeitos segundo o lugar de onde se originam.

Biografia:

Diretor do Centro de Pesquisas Cênicas de Yucatán (da Escola Superior de Artes de Yucatán) e é membro do Sistema Nacional de Pesquisadores.

Corpos Mestiços: Representações Híbridas

Corpos Racializados/Engendrado

 

Coordenadoras:

Cyraina Johnson-Roullier (Associate Professor, English, University of Notre Dame); Karen Richman (Anthropology, Research Professor, Institute for Latino Studies, University of Notre Dame); Meg Harper, (Associate Professor, English, Georgia State University).

Resumo:

Neste Grupo de Trabalho, vamos dar uma olhada histórica sobre os corpos institucionais do Estado e prestaremos atenção aos modos pelos quais eles têm utilizado práticas corporais (performance) e condicionado os espaços públicos para a realização das políticas e dos ideais da Nação. Nossa discussão poderá incluir, mas não ficará limitada a: cerimonial cívico, teatro, festivais, museus, arquitetura, monumentos e meios de comunicação. Estamos especialmente interessadas em trabalhos que considerem as intersecções entre a performance e as formas institucionalizadas de nacionalismo. Isto pode referir-se à maneira pela qual o Esatdo encena o nacionalismo e cria cidadãos; como outros tipos de instituições -- corporações transnacionais, ONGs -- usam a performance para fazer o trabalho do Estado; como os artistas, ativistas e outros grupos vinculam as instituições do Estado e o espaço público para responder a estas performance oficiais com práticas próprias dissidentes ou paródicas.

Biografias:

Cyraina Johnson-Roullier: Diretora de Programa para as Culturas das Américas e Global do Institute for Latino Studies, membro do Institute for Latino Studies, e membro do Executive Council of the International American Studies Association.

Meg Harper: Professora de inglês e estudos das mulheres na Georgia State Unviersity. Tem especialização em poesia em inglês, literatura irlandesa e os modernismos dos séculos XX e XXI.

Corpos Racializados/Engendrado

Hemi-2007_0161SM

Teoría Transnacional e o Método nos Estudos da Performance

 

Coordenadores:

Alejandro L. Madrid (University of Illinois at Chicago) e Micol Seigel (California State University, Los Angeles)

Resumo

Contemporary discussions of “globalization” often suggest that the rapid flow of people, goods, information, and capital across borders is a new (post-World War II) phenomenon. The supposed increase in travel over borders of various sorts, such discussions claim, has undermined the nation-state as a site for collective identification and the granting and protection of citizenship rights. While the coordinators of this working group doubt the newness of transnational flows, they are interested in such travel and in the relevance of non-national imagined communities in the history of the Americas. These are compelling social formations and deserve attention whether they are new or old and despite the continued salience, alas, of the nation-state. This working group therefore brings a historical perspective to the study of transnational performance practices in the Americas. It will highlight and explore the importance of transnational units at various points in the history of the Americas, rejecting their characterization as unique to the postwar period, and offer methodological prescriptions for applying transnational frames of reference in Performance Studies.

Biografias

Alejandro L. Madrid: Musicólogo e teórico cultural. Em 2005, recebeu o Prêmio de Musicologia da Casa de Las Américas e atualmente é pesquisador e professor de Estudos Latino-Americanos na University of Illinois em Chicago.

Micol Seigel: Professora Assistente dos Estudos Liberais, California State University, Los Angeles, Estados Unidos. Atualmente é bolsista na Society for the Humanities, Cornell University.

Teoría Transnacional e o Método nos Estudos da Performance

FaLang translation system by Faboba