interviews
terça-feira, 21 fevereiro 2023 15:33

Entrevista con Arthur Avilés (2022)

Este evento é parte da série Vanguarda nua: o arquivo em movimento de Arthur Avilés, do Instituto Hemisférico. Isso inclui uma discussão moderada por Charles Rice-González com Arthur Avilés, Elizabeth “Macha” Marrero e Rhina Valentin, na qual os três colaboradores relembram performances antigas e Bronx Ghetto Matriarch Maéva, um personagem recorrente que aparece em diversas obras de dança e que já foi interpretado por Marrero e por Valentin. Outros tópicos de discussão incluem a experiência de crescer no Bronx, as suas trajetórias profissionais na dança e a influência da cultura porto-riquenha nas suas performances. Esta discussão foi exibida online e filmada na sede do BAAD! O evento é concluído com um poderoso intercâmbio entre Avilés e sua mãe (uma convidada surpresa) sobre o queer, família e pertencimento.
terça-feira, 21 fevereiro 2023 15:07

Entrevista com Arthur Avilés (2022)

Este evento é parte da série Vanguarda nua: o arquivo em movimento de Arthur Avilés, do Instituto Hemisférico.
Published in Interviews
terça-feira, 14 fevereiro 2012 16:28

Entrevista com Alan Michelson (2005)

Pouco após a abertura do seu show, Revealing the Absent Indian, parte da série New Tribes New York no National Museum of the American Indian, Alan Michelson fala sobre a exibição, que é uma retrospectiva da sua obra. Boa parte da sua arte tem sido influenciada pelo fato de ele ter sido adotado fora da sua tribo (crianças indígenas eram adotadas por pessoas de fora em taxas alarmantes entre os anos 40 e os anos 70) e só ter encontrado a sua família Mohawk bem mais tarde. Michelson enquadra essa questão dentro do tópico mais amplo do desalojamento indígena. Outro tema da sua obra é a paisagem, que o artista utiliza para desafiar as noções de supremacia e de superioridade. Uma das peças em que Alan se concentra, Two Row II (Duas Fileiras II), é uma instalação em vídeo que refere-se ao “Cinturão Wampum das Duas Fileiras” ou Two Row Wampum Belt, que simboliza o acordo perante o qual os Iroquois/Haudenosaunee (a confederação das seis nações indígenas, da qual os Mohawk fazem parte) acolheram os povos brancos nas suas terras: “Nós NÃO seremos como pai e filho, mas como irmãos. Essas DUAS FILEIRAS (TWO ROWS) simbolizarão embarcações viajando ao longo do mesmo rio juntos. Uma será para o Povo Original, as suas leis, os seus costumes; o outro será para o povo europeu e suas leis e costumes. Nós viajaremos por esse rio juntos, mas cada um no seu próprio barco. E nenhum de nós irá tentar conduzir a embarcação do outro”. Os Haudenosaunee têm cumprido com o seu compromisso até hoje. A obra de arte de Alan está também no cinema e o seu show pode ser assistido pelo site www.nmai.si.edu/exhibitions/newtribe/.

 

Published in Interviews
sexta-feira, 04 março 2011 16:59

Entrevista com Alanis King (2008)

Em novembro de 2008, o teatro The Public, na cidade de Nova Iorque, teve o prazer de apresentar um festival de teatro extraordinário, com artistas de teatro nativo contemporâneos. No segundo ano do festival, apresentou-se: três leituras gratuitas dos novos trabalhos dos dramaturgos nativos Victoria Nalani Kneubuhl, Laura Shamas e Eric Gansworth, seguidas de discussões após os espetáculos; uma discussão com o diretor artístico Oskar Eustis e um painel de artistas nativos sobre política e performance, que foi aberto ao público em geral; uma série de sete discussões sobre o ramo do teatro nativo, destinadas a reunir artistas e criar um fórum aberto para se debater temas relacionados ao teatro nativo contemporâneo; e um show da cantora nativa e afro-americana Martha Redbone no Joe’s Pub. Este vídeo, Entrevista com Alanis King, faz parte da série de entrevistas conduzidas por Tom Pearson e complementa os arquivos do festival de 2008.

Alanis King (Nação Odawa). Dentre as suas obras teatrais, destacam-se: 'Bye Bye Beneshe', 'Song of Hiawatha: An Anishnaabec Adaptation' (“A Canção de Hiawatha: Uma Adaptação Anishnaabec”), 'Order of Good Cheer' (“Ordem do Bom Tempo”),  'Gegwah', 'Lovechild' (“Fruto de um Caso de Amor”), 'Artshow' (“Show de Arte”), 'Heartdwellers' (“Habitantes do Coração”), 'Manitoulin Incident' (“O Incidente Manitoulin”), 'Tommy Prince Story' (“A Estória de Tommy Prince”), 'When Jesus Met Nanabush' (“Quando Jesus Conheceu Nanabush”), 'Storyteller' (O Contador de Estórias”) e 'Step by Step' (“Passo a Passo”). King fez uma residência em dramaturgia no Centro de Teatro Indígena em Toronto de 2005 a 2007 e no Teatro Nightwood. Ela foi diretora artística da companhia de teatro da sua comunidade, o Debajehmujig Theater Group, e do Native Earth Performing Arts. Ela também já produziu, fez turnês, dirigiu e desenvolveu inúmeras peças em várias comunidades indígenas First Nations; um dos seus destaques foi 'Lupi the Great White Wolf' (“Lupi, o Grande Lobo Branco”) para a turnê infantil na Academia de Música de Brooklyn.

Tom Pearson (Creek/Cherokee da Região Leste) é um escritor e artista atuante em diversas modalidades artísticas, incluindo dança contemporânea, performances de local específico, cinema, arte visual e instalações de grande escala. Pearson tem um mestrado em Estudo da Performance pela New York University/Tisch School of the Arts e atualmente é co-diretor artístico do Third Rail Projects, um grupo de artistas com sede na cidade de Nova Iorque. Ele recebeu o prêmio New York Dance and Performance (Bessie) em 2008 na categoria de coreografia e um prêmio Kingsbury na categoria de obra literária. Os artigos de Pearson sobre a dança e a performance nativas têm sido publicados na Time Out New York Kids, na Dance Magazine, na Dance Spirit e em várias outras publicações online. Além do seu trabalho nas artes contemporâneas, Tom participa também de eventos indígeno-americanos tradicionais como dançarino e cantor.

Pág. 3 de 3