Performance como método de pesquisa

Convocantes: Christine Greiner e Pablo Assumpção

Propomos um grupo de trabalho com duplo objetivo: (1) avançar na discussão teórica sobre performance como episteme, ou seja a idéia de performance como conhecimento corporal constituindo um sistema específico de linguagem e razão; e (2) criar um espaço para experimentação artística tomada como método de investigação teórica. Acreditamos que o corpo apreende e explora o mundo através da performance; ou seja, acreditamos que o movimento corporal e a experiência sensorial organiza processos de significação irredutíveis ao fechamento de sistemas linguísticos, a descrições narrativas e a idéias tradicionais de metodologia científica. O entendimento da performance como epistemologia – como “forma de conhecimento” – nos força a questionar a própria natureza do conhecimento e da pesquisa, e sugere a prática artística e a criatividade como operadores centrais no que chamamos atividade teórica.

Como sabemos, o campo teórico dos estudos da performance articula uma crítica da representação onde sistemas de escrita são considerados inadequados para medir os termos e os significados do fluxo de informação entre a realidade social e sua corporificação. Toda experiência vivida é a organização de informações culturais, históricas, políticas e sensoriais que se dá no limite entre corpo e sociedade. A percepção mesma constitui-se como performance, sendo sempre um evento específico num espaço e num tempo específicos. Saberes sociais, memória e identidade (gênero, etnicidade e orientação sexual, por exemplo) transbordam o lugar fixo e endurecido que as categorias da linguagem lhes reservam. Talvez as possibilidades transformativas do real sejam acessíveis através da performance, isto é, através de uma experiência em fluxo? Em outras palavras, aquilo que o pesquisador busca apreender e conhecer, embora resistindo a confirmação empírica definitiva e o endurecimento no discurso e na escrita, não pode ser corporificado? “Performado”? Como pensar a escrita como performance e a performance como escrita? Qual a relação entre os sentidos do corpo e o conhecimento? Como a experiência sensorial vincula esteticamente o corpo ao seu ambiente material e social? E como esta visão da estética abre o campo do político – da resistência e da intervenção política?

Formato

O grupo de trabalho será formado por no máximo 15 artistas ou artistas-pesquisadores com interesse em borrar os limites entre teoria e prática, em explorar a performance como modo de conhecimento e a prática artística como método de pesquisa. Experiência prévia em processos híbridos de pesquisa artístico-teórica e/ou familiaridade com idéias de escrita performativa, ficção teórica, surrealismo etnográfico e gêneros híbridos é valioso, mas não necessário.

Usaremos discussões vindas da teoria da performance, filosofia e ciência contemporânea, e cada participante deverá trabalhar em cima de um projeto específico, que poderá ser uma performance, um vídeo, uma peça sonora, um ensaio, ou qualquer combinação entre os termos acima. Os projetos serão discutidos coletivamente durante nossos encontros e o resultado final de cada projeto – não necessariamente uma conclusão – será apresentado em nosso reunião final.

Biograpfias

Pablo Assumpacão Costa é candidato a doutorado pelo Departamento de Estudos da Performance (NYU). Recebeu um mestrado em Estudos da Performance (NYU, 2002) e outro mestrado em Comunicação e Semiótica (PUC-SP, Brasil, 2006). Seu trabalho artístico inclui textos para teatro e cinema, vídeo, instalação e arte de performance.

Christine Greiner é Professora do Departamento de Comunicação e Artes do Corpo da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo e do Programa de Estudos Pós-Graduados em Comunicação e Semiótica na mesma instituição. Coordena o Centro de Estudos Orientais e dirige a coleção Leituras do Corpo, da editora Annablume. É autora do livro O Corpo, pistas para estudos indisciplinares (2005), entre outros livros e artigos publicados no Brasil e no exterior.

 

Partipantes
  • Ana Godoy
  • Anadel Lynton
  • Claudia García
  • Christine Greiner
  • Germán Andrés Molina Garrido
  • Germán Ayala
  • Inês Alcaraz Marocco
  • Ivanna Menna Barreto
  • Jorge Arcila
  • Juliana Borrero
  • Jussara Setenta
  • Larissa Ferreira
  • Laura Dougherty
  • Lucio Agra
  • María Helena Thevenot
  • Mércia Cruz
  • Naira Ciotti
  • Narciso Telles
  • Pablo Assumpcão Costa
  • Pedro Bennaton
  • Sage Morgan-Hubbard
  • Sara del Carmen Rojo de la Rosa
  • Silvia Citro
  • Teoma Naccarato
  • Valeria Coitamich
  • Tiago Ribeiro
  • Zoitsa Noriega