[03] Clínica de Arte e Ação Direta

Descrição:

O grupo de trabalho criará uma obra coletiva com base na visão estética do movimento Fluxus (a sonoridade como intervenção urbana) a partir do contexto sócio-político da cidade do México e com uma postura anti-neocolonial. As problemáticas que os povos latino-americanos sofrem hoje em dia são comuns e resultam de uma nova versão do colonialismo e de uma sistemática violação dos direitos humanos. A intervenção urbana reunirá corpos que se encontram, que dialogam e coletivamente reclamam um espaço público.

Objetivo geral: Criar coletivamente uma obra de intervenção urbana como estratégia de ocupação e reivindicação político-estética a partir de questões emergentes das sensibilidades do grupo.

Objetivos específicos:

  • Discutir em grupo os problemas que nos afetam
  • Projetar a intervenção com base num consenso coletivo
  • Estudar o local da intervenção
  • Pôr em prática a intervenção urbana

Formato ou estrutura:

Como fundamento teórico para a nossa intervenção urbana, desenvolveremos um trabalho de pesquisa sobre o movimento Fluxus e a suas poética, bem como outrxs autorxs como Judith Butler. Trabalharemos durante o Encuentro em sessões coletivas de quatro horas diárias, explorando uma série de modelos e mecanismos de criação que vão do silêncio ao sonoro e compartilhando as experiências estéticas, políticas e de ativismo social dxs participantes do grupo.

Tendo estas experiências afetivas e sensoriais como diretivas para o nosso processo, e levando em conta o contexto social, político e cultural da Cidade do México, criaremos coletivamente uma intervenção a ser (des)locada no espaço urbano, um espaço de ocupação político-estética.

Requisitos para a candidatura:

Descrição (máximo de 500 palavras) do projeto que x candidatx deseja compartilhar com o grupo (sejam criações coletivas ou individuais, trabalhos de pesquisa no campo da arte, ação direta, performance ou fluxus), que demonstre experiência no campo da criação artística ou na participação de coletivos, assembleias e ativismo político-social.

Número ideal de participantes

12

Idiomas que xs coordenadorxs do grupo falam/entendem:

Espanhol e inglês

Coordenadorxs:

Jorge Hernández Esguep é um artista visual e professor de Artes Visuais na Universidad Metropolitana de Ciencias de la Educación, no Chile. Tem um doutorado em Humanidades pela Universidad Carlos III, Madri e um mestrado em Artes Visuais pela Universidad de Chile. Sua pesquisa enfoca o campo da performance, fluxus, arte/ação e intervenção urbana. Recebeu uma bolsa de estudos concedida pelo Ministério da Educação do Chile para realizar estudos sobre "O Desenvolvimento da Educação Artística" na University College St. Mark & St. John, Devon, Inglaterra. Desde a década de oitenta, Hernández tem produzido intervenções urbanas e exposições individuais e coletivas no campo das artes visuais. Entre as mais recentes, estão: “Perder la forma humana: Una imagen sísmica de los años ochenta en América Latina”,  Museo Nacional Reina Sofía (2013); “Hibridaciones”, Museo de arte contemporáneo de Valdivia, Universidad Austral de Chile (2013); e “China-Town”, Galería Metropolitana (2011).

Iñaki Ceberio de León é membro da Asamblea el Retamo de Nonogasta, uma assembleia civil que está lutando pela solução para um problema sócio-ambiental vinculado à contaminação de um curtume. Ele tem um doutorado em Filosofia pela Universidad del País Vasco (Espanha) e realizou uma pesquisa de pós-doutorado no Centro de Estudos Ambientais da Universidad Austral de Chile, sob a direção do Dr. Manfred Max-Neef. Concluído o pós-doutorado, foi contratado pela Escola de Artes Visuais da Universidad Austral de Chile, onde colaborou no processo de reconhecimento do curso de artes visuais e participou de projetos artísticos com o acadêmico e artista visual Jorge Hernández. Atualmente é rofessor-pesquisador da Universidad Nacional de Chilecito (Argentina), onde ministra cursos de Filosofia e participa de projetos de pesquisa e extensão vinculados ao meio ambiente.

Doris Difarnecio é diretora da ARTEACCIÓN: uma plataforma digital para a arte como ação pública e resistência contra o feminicídio, a violência sexual, a homofobia e o racismo. De 1999 a 2016, foi diretora teatral de Fortaleza de la Mujer Maya (FOMMA), em San Cristóbal de las Casas (Chiapas, México), um coletivo de mulheres maias que usa o teatro como ferramenta para a educação, a preservação das comunidades indígenas e os direitos da mulher. Foi diretora do Centro Hemisférico, sede satélite do Instituto Hemisférico em Chiapas, entre 2008 e 2013. Tem mestrados em Estudos Culturais e em Sociologia pela Universidad Autónoma de Madrid e pelo Centro de Estudios Superiores de México y Centroamérica (CESMECA), na Universidad de Ciencias y Artes de Chiapas. Vive atualmente em Novo México, Estados Unidos, de onde colabora com o Rights and Equality Center, que busca dar voz a trabalhadores imigrantes de baixa renda que são agredidos pelas políticas públicas anti-imigrantes de Trump. centrohemisferico.wordpress.com | arteaccionchiapasmexico.wordpress.com

Javier Serna é professor de Letras e Análises de Processos Culturais na Universidad Autónoma de Nuevo León, México. Publicações: 150 Años de Teatro en Nuevo León (2009), Narcocorridos (2003) e Oratura (2014). Tem um Ph.D. em Estudos pela Performance da New York University e um mestrado em Drama e Antropologia pelo Drama Centre London.