Arturella trecho (2003)

A obra de Arthur Avilés’ Arturella (Trecho, 2003) é uma interpretação queer do conto de fadas Cinderela. Avilés usa o seu método de “fantasia autobiográfica” para reformular a clássica estória como um romance gay, que se passa na comunidade latina ao sul do Bronx. Ele integra espanhol e “spanglish” na narrativa e dá nomes latinos a todos os personagens no conto de fadas. A maior parte dos movimentos na dança são copiados de personagens de desenho animado incluídos no filme Cinderela, de Walt Disney. Inclui também passos de danças portorriquenhas tradicionais e movimentos retirados de West Side Story / Amor, sublime amor. A trilha sonora da dança é uma colagem de músicas e sons retirados do filme Cinderela, de Disney. Durante toda a dança, o jovem afeminado Arturela (Arthur Avilés) está buscando uma comunidade. Adotado pela madrasta má Maéva (Elizabeth Marrero) após a morte de seu pai, Arturela enfrenta dificuldades envolvendo a raça, a economia e a sexualidade. Arturela, porém, persevera, com a ajuda da Fada Madrinha Maéva (Marrero) e encontra o seu caminho para a festa de debutante (quinze anos) do Príncipe. Arturela e o Príncipe (George Merced) dançam juntos, mas Arturela vai embora da festa abruptamente. Ele tem que voltar pra casa, para a sua madrasta má Maéva e suas filhas más (Kaila Cordova e Alberto Denis), deixando pra trás um laço com as cores do arco-íris para que o príncipe possa encontrá-lo. O príncipe procura Arturela após a festa e mais tarde o salva da sua família má com o Rei Maéva (Marrero). Ao final do conto de fadas, o príncipe e Arturela declaram o seu amor um pelo outro e a declaração é marcada por um longo beijo em silêncio.

Media

Permanent URL: http://hdl.handle.net/2333.1/5hqbzr3v