HOMENS DE VERDADE (2004)

A obra REAL MEN / HOMENS DE VERDADE (2004) de Arthur Avilés confronta a política da raça, do gênero e da sexualidade na dança contemporânea. Para esta peça, Avilés selecionou dançarinos de diferentes origens raciais e identidades sexuais. Os performers tinham experiência em movimentos de dança moderna, jazz e balé e diversos níveis de treinamento formal. Um dos performers não tinha qualquer treinamento prévio e apareceria no palco pela primeira vez. Além disso, todos os dançarinos na peça são do Bronx—um gesto político por parte de Avilés para colocar corpos da região norte da cidade num palco da região sul. Em REAL MEN, corpos marrons masculinos nus oscilam entre frases de movimento e formas de contato. O movimento deriva da Resposta Inicial de Avilés—uma estratégia coreográfica que usa o não-pensar para criar uma série de frases de movimentos. À medida em que os dançarinos ondulam lentamente pelo chão, uma dançarina entra, usando um smoking e bigode. Os dançarinos interpretam os mesmos movimentos juntos, obscurecendo as linhas do gênero. Aqui, Avilés trabalha no sentido de combater o conceito historicamente binário do gênero na dança, ao desafiar os modos em que o gênero é entendido e interpretado no palco. REAL MEN estreou como parte de uma série de dança exclusivamente masculina "In the Company of Men.” Avilés foi o primeiro coreógrafo a convidar uma mulher para interpretar no palco nessa série. Ele afirma que REAL MEN “é tanto um ato de justiça social quanto uma peça de dança. É sobre homens de cor e conexão. REAL MEN é uma peça de dança única no seu tempo”.

Media