sexta-feira, 30 outubro 2009 21:01

Trucho (2003)

Concerto de Liliana Felipe para apresentar o lançamento de seu álbum Trucho. "Trucho", adjetivo argentino que significa "pirata", "ilegal", "precário", "desvalorizado" ou "falso", resume a crítica de Felipe a respeito das atuais questões sócio-políticas hemisféricas ao mesmo tempo que dedica suas canções aos muitos "zé-ninguém" (os desprovidos, os sem-poder) da América Latina. Canções como "Como Madame Bovary", "Pobre gente", "Soñé", "La extranjera", "Si por el vicio", "Tertuliano", "Memoria Mnemosina", "No te lo puedo decir", "Las histéricas", "Tienes que decidir", entre outras, são executadas e comentadas por Felipe; o "bis" apresenta Jesusa Rodríguez cantando com Felipe uma versão teatral e cômica de um tradicional "huapango" mexicano. As cantoras cantam com diversos registros vocais juntamente com sílabas que formam o nome do vulcão Popocatepetl, subvertendo a canção original. Daí, a dupla interpreta "Mujeres del campo", um hino composto para uma série de oficinas conduzidas com mulheres indígenas camponesas mexicanas no verão de 2002. Felipe encerra o concerto com o tango "Lo que vos te merecés" a pedido de sua platéia, na qual, naquela noite, se encontravam a escritora Elena Poniatowska, a publicista Berta "la Chaneca" Maldonado, a curadora Montserrat Pecanins, a atriz Ofelia Medina, a deputada Beatriz Paredes, entre outras figuras intelectuais, artísticas e políticas de renome da atual esfera pública da Cidade do México.

Published in El Hábito: Trabalhos
quarta-feira, 28 outubro 2009 22:37

Ensalada León Felipe (1991)

Esta é uma documentação feita em vídeo sobre uma noite de performance de cabaré no El Hábito, em 1991. Não é uma peça, ou melhor, é uma interação livre entre as artistas/anfitriãs e a platéia. Liliana caminha pelo palco usando um chapéu de Viquingue e um macacão pegado a pele, ajudando "Pita Amor" (uma velha poetisa mexicana, personagem de Jesusa Rodríguez) a sentar-se. Enquanto Liliana toca canções conhecidas de seu repertório, Pita Amor lê poemas, brinca com a platéia, dá ordens a Liliana e faz comentário sobre tudo, amor, governo, feminismo, tudo apimentado com o pedido periódico de "um drink" e sua asserção repetida "como eu odeio envelhecer!" No meio da platéia se encontram Marta Lamas, fundadora e diretora do Debate Feminista (uma revista acadêmica feminista mexicana) e Elena Poniatowska, uma das figuras literárias de renome no México sobre a qual Liliana canta uma canção no encerramento do show. Este vídeo é uma prova do tipo de espaço que El Hábito é: um foco de intelectuais, feministas, ativistas dos direitos gays e pessoas progressistas e de mente aberta que desejam engajar-se com humor crítico e inteligente.

Published in El Hábito: Trabalhos
quarta-feira, 28 outubro 2009 21:37

El derecho de abortar (1998)

Monica "Lengüinsky" (personagem de Jesusa Rodríguez) foge para o México durante o escândalo Clinton, torna-se escritora de tevê e produz "El Derecho de Abortar", um show que é um cruzamento entre uma "pastorela'" (auto de Natal) e uma "telenovela". Esta "pastonovela" apresenta a Virgem Maria e José de Nazaré como dois mexicanos milionários e atormentados pela sexualidade ambígua de seu filho "cross-dressing"(homem que gosta de vestir-se com roupas femininas), Jesus Cristo. Numa tentativa fracassada de "consertá-lo", empregam uma prostituta ("María Magdalena" Lengüinsky), que acaba descobrindo que Jesus é, na realidade, um hermafrodita e que está grávido e que o pai de seu filho ainda por nascer é o próprio São José. Quando Jesus faz um aborto, Lengüinsky vê sua oportunidade de lucrar com a situação: faz chantagens com a Sagrada Família ao ameaçar ir a público e contar a verdade sobre Jesus. Ao colocar seu próprio status social em primeiro lugar(incluíndo a carreira política de José à candidatura a presidência do México), a Sagrada Família resolve sacrificar Jesus e vende os direitos autorais de todas as imagens da crucificação para Lengüinsky. "El Derecho de Abortar" é um comentário satírico e comovente sobre a corrupção, intolerância e moralidade contraditória agindo na sociedade católico-capitalista do México.

Inserções de vídeo: Inserções de vídeo da peça de cabaré "El Derecho de Abortar". Monica "Lengüinsky" foge para o México durante o escândalo Clinton, torna-se escritora de tevê e produz "El Derecho de Abortar", um show que é um cruzamento entre uma "pastorela" (auto de Natal) e uma "telenovela".


Vídeo

El derecho de abortar
El derecho de abortar (inserções de vídeo para o performance)

Published in El Hábito: Trabalhos
quarta-feira, 28 outubro 2009 20:49

Donna Giovanni (1987)

"Donna Giovanni", adaptação teatral de Jesusa Rodríguez da ópera "Don Giovanni" de Mozart e Da Ponte, é uma leitura feminista conhecida do clássico pela companhia teatral mexicana Divas A.C. Dirigida por Rodríguez e com direção musical de Alberto Cruzprieto, a peça fez uma turnê de sucesso pela América Latina, Estados Unidos e Europa, recebendo elogios da crítica. De uma forma magistral, "Donna Giovanni" utiliza humor, sobrepondo camadas de "cross-dressing" (roupas masculinas usadas por mulheres e vice-versa) e os efeitos recíprocos entre música, jogo de palavras e tableaux vivants a fim de propor um comentário feminista sobre sensualidade, questões de gênero e cenários religiosos e culturais de amor, engano, delegação de poder e desejo.

Published in El Hábito: Trabalhos
quarta-feira, 28 outubro 2009 20:37

Cabaret prehispánico: Cielo de abajo (1992)

Este cabaré, composto por duas mulheres e um esqueleto "pré-hispânico", segue a trajetória de uma alma ao atravessar os nove níveis do submundo pré-Hispânico. Uma mulher indígena lamenta a morte de sua amante e resolve ir ao "el cielo de abajo" ("céu de abaixo") para procurá-la. A jornada segue aproximadamente a rota mapeada do texto sagrado "Popul Voh" dos Nahuas, assim como a do livro "Cuerpo humano e ideología: Las concepciones de los antiguos Nahuas" (O Corpo Humano e ideologia: os conceitos dos antigos Nahuas) de Alfredo López Austin. O texto, parte em Espanhol, parte em Nahuatl (o idioma dos chamados Astecas) é livremente baseado no conceito pré-hispânico da vida após a morte das almas mortais durante sua árdua viagem ao lugar de descanso eterno. No final, a performance de cabaré propõe uma exploração poética sobre o amor, gênero, sedução, sacrifício e morte.

Published in El Hábito: Trabalhos
quarta-feira, 28 outubro 2009 20:21

Big Mother: El Gran Desmadre (2002)

Nesta performance burlesca de cabaré, os "Quatro Cavaleiros do Apocalipse" encenam a guerra da Humanidade contra a Natureza, numa reflexão "metafísica" sobre terrorismo, vigilância e a sociedade de espetáculos. Após os ataques terroristas de 11 de setembro de 2001, em Nova York, "uma esperança de guerra renasce" juntamente com o iminente e "esperado extermínio da Natureza". Um grupo de mulheres voluntariam-se para serem trancadas na sede da Mega Corporation ("um produto da fusão global do mercado da autocompetição perfeita"), uma espécie de show reality de tevê onde os debates metafísicos se justapõem aos concursos de beleza, limbos burocráticos e últimas ceias teatrais. "Alcançe Sua Metafísica 2002" é um concurso de beleza onde os Quatro Cavaleiros -- representados pela Fome, Epidemia, Guerra e Morte-- são confrontados com questões filosóficas: o que é conhecimento? Desejo? Consciência? O destino da raça humana? Daí, os participantes do programa tornam-se secretários do governo onde, entre fofoca e morosidade, pretendem terminar seus relatórios de avaliação da Mega e como seus Ministérios (da Abundância, Paz, Verdade e Amor) contribuíram para o objetivo e realização da empresa de "destruir a Natureza e a Humanidade de uma forma prazeirosa". As mulheres, então, transformam as personagens dramáticas da "Casa de Bernarda Alba", de Federico García Lorca, numa versão satírica durante um jantar onde as filhas insistem em fazer Bernanda contar-lhes "a Verdade". Bernarda confessa que é a Mãe Natureza, a Big Mother, que criou seus filhos a fim de se contemplar e de se espelhar. A peça caleidoscópica de olhares é, desta forma, multiplicada, num vórtex de vigilância onde Big Mother imita Big Brother ambos como a distopia de "1984" de Orwell e como um show reality de tevê mexicano homônimo. Agravados "metafisicamente", os Cavaleiros matam a Mãe Natureza, deixam o planeta estéril e embarcam numa "cruzada contra o terrorismo extraterrestre".

Inserções de vídeo da performance "Big Mother: El Gran Desmadre": Aqui, incluem-se: cenas filmadas de um noticiário dos ataques terroristas ao World Trade Center, em Nova York; um comercial apresentando a Mega Corporation ("um produto da fusão global do mercado da autocompetição perfeita") em sua "cruzada contra o terrorismo"; três trechos de telenovelas mexicanas; um comercial com um famoso ator mexicano; um "flash" informativo e satírico sobre a vigilância das câmeras da "Big Mother" (instaladas a fim de observar a população mexicana, a procura de possíveis terroristas contra a soberania do Estado); um momento filmado das "filhas de Bernarda Alba" numa terra estéril, agitando a bandeira mexicana. Todas essas seqüências filmadas complementam a reflexão "metafísica" do show sobre terrorismo, vigilância e a sociedade dos espetáculos, numa espécie de "show reality de tevê" onde os debates metafísicos se justapõem aos concursos de beleza, limbos burocráticos, e últimas ceias teatrais em busca da Verdade entre a guerra contra a Natureza e a Humanidade.


Video Holdings

Big mother: el gran desmadre
Big mother: el gran desmadre (inserções de vídeo)

Published in El Hábito: Trabalhos
quarta-feira, 07 outubro 2009 21:59

Cabaret prehispánico at the Guggenheim (2004)

There is no translation available.

Jesusa Rodríguez presents a version of Cabaret prehispánico at the Guggenheim Museum as part of The Aztec Empire, an exhibition that included performances by both Rodríguez and Guillermo Gomez-Peña.

'Prehispanic Cabaret' is an act of protest against multinational agricultural biotechnology corporations (such as Monsanto) whose introduction of genetically-modified corn into Mexican agriculture severely threatens the country's intangible cultural heritage by all but eliminating natural corn. 'We are corn people,' says writer, director and performer Jesusa Rodríguez, who has been politically active in in the uphill battle against the government-backed corporations. This cabaret, unlike most of Jesusa and Liliana's work at El Hábito, is largely non-verbal; it is Liliana's mordant lyrics that give voice to Jesusa's symbolic body onstage as she becomes an indigenous woman, a character in a codex, a peasant, and finally the figure of Death.

Published in El Hábito: Trabalhos
quarta-feira, 19 agosto 2009 16:49

La soldadera autógena (2001)

icon Soldadera autógena (esp) (46.58 kB)

"¡Viva la revolución genética y sexual!"
"Viva a revolução genética e sexual!"

Usando a figura da “Soldadera”, a mulher guerreira que tornou-se famosa durante a Revolução Mexicana, Jesusa Rodriguez proclama o seu manifesto para uma revolução sexual e genética. Sem mais necessidade de se dividir a humanidade entre ele e ela. Agora podemos ser ele e ela em um corpo; "dos presentaciones en un mismo envase".


Extrato

Ya estuvo bueno, pues’n, más vale que me vengan a mí a aplaudir. ¡Ahora sí, hijos de su centrifugada incubadora! ¡Vamos a ver lo que es bueno! Y además, alguien que se me arrime, que se las paso a vivipartir. Buenas las tengan, y si no, pos lástima. Ahorita como quiera lo que importa es leerles este panfleto, un documento que mal que les pese mi analfabetizadez’n, total y al cabo, su presidente Vicente Fuck, no tiene mejor verbabulario que yo.


Y aquí desde este tribunal que mi regimiento y yo hemos tomado, porque ya nos cansamos de que el poder se mantenga depositado a plazo fijo y estado permanentes’n. Por eso, pa’ liberar al pueblo de la estupidización, el consumio, la multimedia, la polimedia y toda esa parafranela —¡ya estuvo bueno!— hemos hecho, provocado y proconsabido, conseguido el triunfo de nuestra revolución genética. Ahora, ¿en qué consiste, verdad? Repitan conmigo, (saca pistola) "¡No a la Represión! ¡Viva la Comandante Esther! ¡Chingue su madre Diego de Blancos de Ceballos! ¡Viva la revolución genética y sexual! ¡Viva el Proyecto Genoma y la transexualización de Truacti la Ambigua!" O como dijo William Burroughs, "las revoluciones cambian algunas costumbres, pero dejan la mierda intacta". Ojo, fíjense bien y analicen, mis queridas soldaderas’n. "No tiene sentido la revolución", dice Burros. "Creo que un cambio verdadero debe implicar un cambio drástico, como cuando los peces comenzaron a salir del agua". Vámonos analizando, pues’n, yo digo. Si las piedras se volvieron amíbas’n, ¿por qué nosotros no íbamos a trasmutar? Pos qué caray, eh. Hoy por hoy, gen por gen, hemos transunstantivado nuestro ácido revivonoxinucleido, ¡¡y a simple vista se nos nota que los revolucionarios de hoy semos andróginos!! O séase, que ni hombres ni mujeres, sino que somos hombres y mujeres al mismo tiempo. Dos presentaciones en el mismo envase. Dos personas en un solo cuerpo. Un solo cuerpo vuelto pareja. Semos todos hermafroditas’n. ¡Y eso nos congratula, compañeros, nos llena de regocijo! ‘Ora sí se acabó el machismo y se acabó el feminismo y todas esas babosadas de las reguerías y las budeces, ¡puras mamadas’n! Se acabó la desigualdad entre hombres y mujeres’n. ¡Compañeros, compañeras, o compañeres’n! ‘Ora semos una y otra al mismo tiempo, ¡y decretamos la abolición de la familia! ¡Ya estuvo bueno! Nada de los valores sagrados de la familia, ni... ¡Puras mamadas! Es más, voy a cantarles una canción que dice así: (Canta, con Liliana al piano, la canción "Expresidentes". El coro es: "Ay ay ay ay, ¿dónde andarán esos hojetes que vinieron a robar?") Pinches culeros, ésos no son hermafroditas. ¡Son monocotiledóneos! Pero bueno, estábamos en otro tema. ¿Qué nos importan los expresidentes? Estos güeyes son sexualidades inferiores. ¡Viva el libre albedrío! ¡Viva la cópula de autoservicio! Semos el futuro, mal que les vuelva a pesar. Y en revisionar la historia del pasado, notaremos que la gran mayoría de nuestros héroes jueron andróginos. A saber, José María Morelos-- Morelos, José María. Miguel Hidalgo y Costilla. Guadalupe Victoria. Emiliano Zapata. Ahí lo tienen, si la historia lo tiene muy claro. Semos productos de esta revolufia que hoy celebramos y cuyo máximo producto y logro se consolida en su naturaleza violenta y traviesa, amarga y dulzona, ni fría ni caliente, ¡¡pero mucho menos tibia, compañeres!! Hoy nos hacemos el manicure mientras nos afeitamos el bigote. Cambiamos pañales mientras arreglamos el mofle. Comemos mazapanes chopeados en chamois. Y jugamos a las matapenas en mitad de las charreadas. ¡Compañeros y compañeres revolucionaries! Al mismo tiempo compañeros y compañeras, ¡compañeres! Albergo en mi seno ambos miembros. Al chofer de la combi y al a doncella de Orleans. Al popo y al ista. Y al activar el doble espíritu motor en el vientre de nuestra humanidad --y pésimamente mal al que le vuelva a pesar-- ¡no cederemos ni un paso! ¡No daremos ni un paso atrás en lo que a reitraitación se refiere! Porque yo conmigo semos marido y mujer, únicos e indivisibles, y todo aquel que quiera sumarse a las huestes andrógines hermafrodites, preséntese inmediatamismo de Deguaitepey, donde se le consagrará la doble sexualidad istmo facto. ¡Pa’ algo soy la soldadera autógena pues’n! Y ustedes concederán su doble sexualidad inmediata presentando las presentación de 3 cocholatas de refrescos de cola, su genoma desdoblado, y la convicción de que están dispuestos, dispuestas y y dispuestes, a ingresar a una etapa superior de la evolución humana. Y ahora sí, querides compañeres, a gozar de este bonito corrido, que dice así: Rosita se transexuó...

Published in El Hábito: Trabalhos
terça-feira, 18 agosto 2009 19:26

Primero sonho (2007)

A obra A obra Primeiro sonho foi encenada por Jesusa Rodríguez como parte do 6o Encuentro do Instituto Hemisférico de Performance e Política ocorrido em junho de 2007 em Buenos Aires, Argentina sob o título CORPOLÍTICAS / Body Politics in the Americas: formações de raça, classe e gênero. Rodríguez encena um fragmento do poema do século XVII da Irmã Juana Inés de la Cruz, entitulado Primeiro sonho, o qual x poeta confessa ter sido o único poema que elx escreveu por prazer e para si mesmx. À medida em que elx vai desvelando cada camada do poema, elx vai também retirando as suas roupas. (A versão inicial da peça, apresentada no Encuentro de 2002 em Lima, Peru, tinha sido entitulada Striptease de Sor Juana [Striptease da Irmã Juana]).


Roteiro

icon Primero Sueño (esp) (108.92 kB)

icon Primero Sueño (eng) (1.42 MB)


Excerto

Piramidal, funesta, de la tierra
nacida sombra, al Cielo encaminaba
de vanos obeliscos punta altiva,
escalar pretendiendo las Estrellas;
si bien sus luces bellas
--exentas siempre, siempre rutilantes--
la tenebrosa guerra
que con negros vapores le intimaba
la pavorosa sombra fugitiva
burlaban tan distantes,
que su atezado ceño
al superior convexo aun no llegaba
del orbe de la Diosa
que tres veces hermosa
con tres hermosos rostros ser ostenta,
quedando sólo o dueño
del aire que empañaba
con el aliento denso que exhalaba;

[Download PDF for Full Text]


Suplementares Links

Film: Todo, en fin, el silencio ocupaba

FaLang translation system by Faboba