sexta-feira, 04 março 2011 16:50

Entrevista com Eric Gansworth (2008)

Em novembro de 2008, o teatro The Public, na cidade de Nova Iorque, teve o prazer de apresentar um festival de teatro extraordinário com artistas nativos contemporâneos. No segundo ano do festival, apresentou-se: três leituras gratuitas dos novos trabalhos dos dramaturgos nativos Victoria Nalani Kneubuhl, Laura Shamas e Eric Gansworth, seguidas de discussões após os espetáculos; uma discussão com o diretor artístico Oskar Eustis e um painel de artistas nativos sobre política e performance, que foi aberto ao público em geral; uma série de sete discussões sobre o ramo do teatro nativo, destinadas a reunir artistas e criar um fórum aberto para se debater temas relacionados ao teatro nativo contemporâneo; e um show da cantora nativa e afro-americana Martha Redbone no Joe’s Pub.  Este vídeo, Entrevista com Eric Gansworth, faz parte da série de entrevistas conduzidas por Tom Pearson e complementa os arquivos do festival de 2008.

Eric Gansworth (Onondaga) é professor de Inglês e um escritor-residente pela Lowery no Canisius College em Buffalo, Nova Iorque. Dentre os seus livros, destacam-se 'Mending Skins' (“Remendando Peles”) (Prêmio PEN Oakland) e 'A Half-Life of Cardio-Pulmonary Function' (“Uma Meia-Vida de Função Cárdio-Pulmonar”) (indicado na lista de ‘Boas Leituras’ do Book Critics Circle). Os seus trabalhos têm figurado em inúmeras publicações especializadas: The Kenyon Review, The Boston Review, Shenandoah, Cold Mountain Review, Poetry International, New York Quarterly, Yellow Medicine Review, American Indian Quarterly, Stone Canoe, UCLA American Indian Culture and Research Journal, Many Mountains Moving e Studies in American Indian Literature, dentre outras.

Tom Pearson (Creek/Cherokee da Banda Leste) é um escritor e artista atuante em diversas modalidades artísticas, incluindo dança contemporânea, performances de local específico, cinema, arte visual e instalações de grande escala. Pearson tem um mestrado em Estudo da Performance pela New York University/Tisch School of the Arts e atualmente é co-diretor artístico do Third Rail Projects, um grupo de artistas com sede na cidade de Nova Iorque. Ele recebeu o prêmio New York Dance and Performance (Bessie) em 2008 na categoria de coreografia e um prêmio Kingsbury na categoria de obra literária. Os artigos de Pearson sobre a dança e a performance nativas têm sido publicados na Time Out New York Kids, na Dance Magazine, na Dance Spirit e em várias outras publicações online. Além do seu trabalho nas artes contemporâneas, Tom participa também de eventos indígeno-americanos tradicionais como dançarino e cantor.
sexta-feira, 04 março 2011 16:47

Entrevista com Edward Wemytewa (2007)

Em dezembro de 2007, como parte do seu Festival de Teatro Nativo, o teatro The Public trouxe para a cidade de Nova Iorque profissionais do teatro nativo de todas as partes dos E.U.A. e do Canadá para uma série de leituras e discussões. O festival, com cinco dias de duração, incluiu leituras de peças, discussões após os espetáculos, shows, mesas redondas e a performance da obra 'Tales of an Urban Indian' (“Contos de um Índio Urbano”), de Darrell Dennis. Este vídeo documenta uma entrevista com Edward Wemytewa, conduzida por Terry Gomez como parte de uma série de entrevistas complementares ao Festival de Teatro Nativo.

Edward Wemytewa é um ex-conselheiro tribal Zuni e a sua ligação com a sua herança cultural Zuni ocorre através da arte e da linguagem. Ele é o diretor fundador do Idiwanan An Chawe, um teatro narrativo. Edward é um dramaturgo, artista performático e artista visual, cujas premiadas pinturas e esculturas têm sido exibidas em museus no Arizona e no Novo México.

Terry Gomez é da Nação Comanche de Oklahoma. Ela é uma dramaturga com obras publicadas e produzidas, uma escritora com livros publicados, uma diretora teatral, atriz e pintora. A sua peça 'Inter-tribal' foi produzida como uma leitura encenada no teatro The Public, na cidade de Nova Iorque, e publicada na antologia 'Plays by Women of Color' (“Peças por Mulheres de Cor”). Terry tem atuado como professora adjunta de artes teatrais no Institute of American Indian Arts em Santa Fé, Novo México, e integra o corpo docente do Programa de Cinema de Verão I.A.I.A./ABC/Disney. Ela recebeu a bolsa de estudos da American Indian College Fund/Andrew W. Mellon para o ano letivo de 2007-2008. Ela tem dois filhos e atualmente reside em Santa Fé.
sexta-feira, 04 março 2011 16:45

Entrevista com Sheila Tousey (2007)

Em dezembro de 2007, como parte do seu Festival de Teatro Nativo, o teatro The Public trouxe para a cidade de Nova Iorque profissionais do teatro nativo de todas as partes dos E.U.A. e do Canadá para uma série de leituras e discussões. O festival, com cinco dias de duração, incluiu leituras de peças, discussões após os espetáculos, shows, mesas redondas e a performance da obra 'Tales of an Urban Indian' (“Contos de um Índio Urbano”), de Darrell Dennis. Este vídeo documenta uma entrevista com Sheila Tousey, conduzida por Diane Glancy como parte de uma série de entrevistas complementares ao Festival de Teatro Nativo.

Sheila Tousey (Menominee e Stockbridge-Munsee) já atuou em muitas produções na cidade de Nova Iorque e em teatros regionais por todas as partes dos E.U.A. Dentre os diretores com os quais ela já trabalhou, destacam-se Joann Akalaitis, Joe Chaiken, Linda Chapman, Kennetch Charlette, Liviu Ciulei, David Esbjornson, Hanay Geiogamah (American Indian Dance Theater), Muriel Miguel, Lisa Peterson, Elizabeth Theobald Richards, Sam Shepard, Tony Taccone, Paul Walker e Robert Woodruff. Sheila, juntamente com Maria Vail e em colaboração com Sam Shepard, recentemente adaptou 'Bottlehouse', uma peça baseada nos contos e na poesia de Sam Shepard. Formação: mestrado em Belas Artes do Programa de Mestrado em Atuação da NYU.

Diane Glancy (Cherokee) é professora do Macalester College em St. Paul, Minnesota, onde tem ensinado Literatura Americana Nativa e Criação Literária. Ela recebeu um título de mestrado em Belas Artes da University of Iowa. Glancy já publicou dois livros de peças, 'American Gypsy' (“O Cigano Americano”) (University of Oklahoma Press, 2002) e 'War Cries' (“Gritos de Guerra”) (Holy Cow!, 1998). Uma coleção de peças mais curtas, 'The Sum of Winter' (“O Resultado do Inverno”), e uma introdução ao teatro fracionado estão disponíveis online no site www.alexanderstreet.com.  As suas peças também aparecem em várias antologias. A última peça de Diane Glancy, 'Stone Heart: Everybody Loves a Journey West' (“Coração de Pedra: Todos Adoram uma Viagem ao Oeste”), a estória de Sacajawea acompanhando a expedição Lewis & Clark de 1804-06, foi produzida em 2006 no Autry National Center em Los Angeles e viajou para o Museu Nacional do Índio Americano Smithsonian na cidade de Nova Iorque e em Washington, D.C. Glancy também já publicou romances, contos, ensaios e poesias.
sexta-feira, 04 março 2011 16:43

Entrevista com Laura Shamas (2008)

Em novembro de 2008, o teatro The Public, na cidade de Nova Iorque, teve o prazer de apresentar um festival de teatro extraordinário com artistas nativos contemporâneos. No segundo ano do festival, apresentou-se: três leituras gratuitas dos novos trabalhos dos dramaturgos nativos Victoria Nalani Kneubuhl, Laura Shamas e Eric Gansworth, seguidas de discussões após os espetáculos; uma discussão com o diretor artístico Oskar Eustis e um painel de artistas nativos sobre política e performance, que foi aberto ao público em geral; uma série de sete discussões sobre o ramo do teatro nativo, destinadas a reunir artistas e criar um fórum aberto para se debater temas relacionados ao teatro nativo contemporâneo; e um show da cantora nativa e afro-americana Martha Redbone no Joe’s Pub. Este vídeo, Entrevista com Laura Shamas, faz parte da série de entrevistas conduzidas por Tom Pearson e complementa os arquivos do festival de 2008.

O trabalho de Laura Shamas (Chickasaw) tem sido lido/desenvolvido/apresentado em vários teatros, inclusive no Native Voices at the Autry, no Native Earth Performing Arts, no Lark, durante a 'Semana de Dramaturgia', no Soho Theatre, no Festival de Teatro de Williamstown, no The Old Globe, no The Geva Theater e no Festival Shakespeariano de Utah. Shamas tem diversas peças publicadas, dentre elas 'Re-Sourcing', 'Moliere In Love' (“Moliere Apaixonado”), 'Pistachio Stories', 'Up To Date' (“Atualizado”), 'Lady-Like' (“Como uma Dama”), 'Picnic at Hanging Rock' (“Piquenique em Hanging Rock”), 'Portrait of a Nude' (“Retrato de um Nu”) e 'The Other Shakespeare' (“O Outro Shakespeare”). Ela já foi laureada com inúmeros prêmios de dramaturgia, dentre eles o Prêmio Garrard de Melhor Peça do Museu Five Civilized Tribes em 2008, um Prêmio Fringe, como primeira colocada na categoria de Drama Original de Maior Destaque (Edimburgo), um prêmio Drama-Logue e uma bolsa de estudos Aurand Harris do Children's Theater Foundation of America para o ano letivo de 2006-2007.

Tom Pearson (Creek/Cherokee da Banda Leste) é um escritor e artista atuante em diversas modalidades artísticas, incluindo dança contemporânea, performances de local específico, cinema, arte visual e instalações de grande escala. Pearson tem um mestrado em Estudo da Performance pela New York University/Tisch School of the Arts e atualmente é co-diretor artístico do Third Rail Projects, um grupo de artistas com sede na cidade de Nova Iorque. Ele recebeu o prêmio New York Dance and Performance (Bessie) em 2008 na categoria de coreografia e um prêmio Kingsbury na categoria de obra literária. Os artigos de Pearson sobre a dança e a performance nativas têm sido publicados na Time Out New York Kids, na Dance Magazine, na Dance Spirit e em várias outras publicações online. Além do seu trabalho nas artes contemporâneas, Tom participa também de eventos indígeno-americanos tradicionais como dançarino e cantor.
sexta-feira, 04 março 2011 16:39

Entrevista com Randy Reinholz (2007)

Em dezembro de 2007, como parte do seu Festival de Teatro Nativo, o teatro The Public trouxe para a cidade de Nova Iorque profissionais do teatro nativo de todas as partes dos E.U.A. e do Canadá para uma série de leituras e discussões. O festival, com cinco dias de duração, incluiu leituras de peças, discussões após os espetáculos, shows, mesas redondas e a performance da obra 'Tales of an Urban Indian' (“Contos de um Índio Urbano”), de Darrell Dennis. Este vídeo documenta uma entrevista com Randy Reinholz, conduzida por Yvette Nolan como parte de uma série de entrevistas complementares ao Festival de Teatro Nativo.

Randy Reinholz, inscrito como membro da Nação Choctaw, é co-criador e diretor artístico do Native Voices. Ele já dirigiu cerca de cinquenta peças por todas as partes dos E.U.A. e do Canadá. Reinholz foi o diretor e produtor executivo de ‘Urban Tattoo’ (“Tatuagem Urbana”) e das produções Equity de 'Jump Kiss', 'The Buz'Gem Blues' e 'Please Do Not Touch the Indians' (“Por Favor Não Toquem nos Índios”), muito aclamadas pela crítica, e foi o diretor executivo da estréia mundial de 'Kino & Teresa' em 2005. Em 2006, Reinholz produziu e dirigiu as estréias e turnês mundiais de 'Stone Heart' (“Coração de Pedra”) e 'The Red Road' (“A Estrada Vermelha”) e a leitura encenada de 'Wild Horses' (“Cavalos Selvagens”) no festival New Visions/New Voices do The Kennedy Center. Em 2007, a sua produção de 'The Berlin Blues' (“Os Blues de Berlim”) estreou em Los Angeles. As três últimas produções do Native Voices vêm sendo remontadas no Museu Nacional do Índio Americano em Nova Iorque e em Washington, D.C. Além de dirigir e produzir, ele tem co-patrocinado mostras e oficinas sobre a diversidade nativo-americana para a ABC e para a NBC e é anualmente um artista convidado no Instituto Indígeno-Americano de Verão da FOX. Ele recebeu um título de mestrado em Belas Artes da Cornell University e é professor titular de Teatro, Televisão e Cinema na San Diego State University, além de ensinar no Programa de Estudos Indígeno-Americanos.

Yvette Nolan (Algonquin de Kitiganzibi) é roteirista, dramaturga e diretora. Dentre as suas obras, destacam-se 'Annie Mae's Movement' (“O Movimento de Annie Mae”), 'BLADE', 'Job's Wife' (“A Mulher de Jobs”), 'Video', o libreto 'Hilda Blake' e a peça de rádio 'Owen'. Como dramaturga, ela trabalha por todo o Canadá, mais recentemente como a “dramaturga do festival” para o Festival de Primavera do Saskatchewan Playwrights Centre. Ela foi presidente da União dos Dramaturgos do Canadá de 1998 a 2001 e da Playwrights Canada Press de 2003 a 2005. Ela atualmente é a diretora artística do Native Earth Performing Arts em Toronto.
sexta-feira, 04 março 2011 16:35

Entrevista com Joy Harjo (2007)

Em dezembro de 2007, como parte do seu Festival de Teatro Nativo, o teatro The Public trouxe para a cidade de Nova Iorque profissionais do teatro nativo de todas as partes dos E.U.A. e do Canadá para uma série de leituras e discussões. O festival, com cinco dias de duração, incluiu leituras de peças, discussões após os espetáculos, shows, mesas redondas e a performance da obra 'Tales of an Urban Indian' (“Contos de um Índio Urbano”), de Darrell Dennis. Este vídeo documenta uma entrevista com Joy Harjo, conduzida por Elizabeth Theobald Richards como parte de uma série de entrevistas complementares ao Festival de Teatro Nativo.

Joy Harjo é uma poeta, artista performática, escritora e música internacionalmente conhecida. Ela nasceu em Tulsa, Oklahoma. Ela recebeu um título de bacherelado em Criação Literária da University of New Mexico e um mestrado em Belas Artes da Oficina de Escritores da University of Iowa. Ela já publicou sete livros de aclamadas poesias, inclusive títulos bem conhecidos como 'She Had Some Horses' (“Ela Possuía Alguns Cavalos”) e 'The Woman Who Fell From the Sky' (“A Mulher que Caiu do Céu”). Ela ganhou vários prêmios por sua poesia e obras literárias, incluindo um prêmio em tributo à sua carreira, o Lifetime Achievement Award do Native Writers Circle of the Americas; o prêmio William Carlos Williams da Poetry Society of America e o Eagle Spirit Achievement Award pela totalidade das suas contribuições para as artes, do Festival de Cinema Indígeno-Americano, dentre outros. Harjo tem atuado internacionalmente, desde o Festival Riddu Riddu, ocorrido ao norte do Círculo Ártico, na Noruega, ao Def Poetry Jam, na HBO, a Madras, Índia, ao La Casita Series do Lincoln Center, até o Ford Theater em Los Angeles. Quando não está ensinando ou atuando, ela vive em Honolulu, Havaí. Ela é integrante da Nação Muskoke/Creek, em Oklahoma.

Elizabeth Theobald Richards é uma administradora de artes experiente, uma planejadora estratégica, uma artista de teatro e uma promotora das artes nativas. Inscrita como membro da Nação Cherokee de Oklahoma, ela é a primeira americana nativa a atuar como diretora de programa na Ford Foundation. Ela foi diretora de programas públicos para o Museu e Centro de Pesquisa Mashantucket Pequot em Connecticut, o maior museu/biblioteca tribal nos E.U.A. Ela supervisionou o planejamento, o desenvolvimento e a implementação de todos os programas interpretativos, educacionais e artísticos apresentados ao público. Durante os últimos doze anos, ela tem trabalhado também como dramaturga e diretora, desenvolvendo roteiros de escritores americanos nativos, e tem conseguido agenciar relações entre artistas nativos, importantes organizações e outros grupos étnicos/raciais.
sexta-feira, 04 março 2011 16:31

Entrevista com Diane Glancy (2007)

Em dezembro de 2007, como parte do seu Festival de Teatro Nativo, o teatro The Public trouxe para a cidade de Nova Iorque profissionais do teatro nativo de todas as partes dos E.U.A. e do Canadá para uma série de leituras e discussões. O festival, com duração de cinco dias, incluiu leituras de peças, discussões após os espetáculos, shows, mesas redondas e a performance da obra 'Tales of an Urban Indian' (“Contos de um Índio Urbano”), de Darrell Dennis. Este vídeo documenta uma entrevista com Diane Glancy, conduzida por Sheila Tousey como parte de uma série de entrevistas complementares ao Festival de Teatro Nativo.

Diane Glancy (Cherokee) é professora do Macalester College em St. Paul, Minnesota, onde tem ensinado Literatura Americana Nativa e Criação Literária. Ela recebeu um título de mestrado em Belas Artes da University of Iowa. Glancy já publicou dois livros de peças, 'American Gypsy' (“O Cigano Americano”) (University of Oklahoma Press, 2002) e 'War Cries' (“Gritos de Guerra”) (Holy Cow!, 1998). Uma coleção de peças mais curtas, 'The Sum of Winter' (“O Resultado do Inverno”) e uma introdução ao teatro fracionado estã disponíveis online no site www.alexanderstreet.com. Glancy também publicou romances, contos, ensaios e poesias. Ela recebeu um Prêmio de Prosa Americana Nativa, um Prêmio Literário Americano, um Prêmio Literário de Minnesota e um Prêmio Literário de Oklahoma. Ela recebeu em 2003 uma bolsa de estudos da National Endowment for the Arts. Recebeu também, em 2002, uma Medalha de Honra Cherokee e o prêmio Thomas Jefferson de ensino do Macalester College. Outras premiações incluem: uma bolsa de estudos de verão em teatro da Voice & Visions pelo Bard College em 2005; uma bolsa de estudos em dramaturgia da Many Voices pelo The Playwrights' Center, Minneapolis; o prêmio Five Civilized Tribes de dramaturgia, Muskogee, Oklahoma; e uma bolsa de estudos em dramaturgia americana nativa da Sundance em 1998.

Sheila Tousey (Menominee e Stockbridge-Munsee) tem atuado em muitas produções na cidade de Nova Iorque e em teatros regionais por todas as partes dos E.U.A. Dentre os diretores com os quais ela trabalhou, destacam-se Joann Akalaitis, Joe Chaiken, Linda Chapman, Kennetch Charlette, Liviu Ciulei, David Esbjornson, Hanay Geiogamah (do American Indian Dance Theater), Muriel Miguel, Lisa Peterson, Betsy Richards, Sam Shepard, Tony Taccone, Paul Walker e Robert Woodruff. Formação: mestrado em Belas Artes em atuação da New York University.
sexta-feira, 04 março 2011 16:12

Entrevista com Martha Redbone (2008)

Em novembro de 2008, o teatro The Public, na cidade de Nova Iorque, teve o prazer de apresentar um festival de teatro extraordinário com artistas nativos contemporâneos. No segundo ano do festival, apresentou-se: três leituras gratuitas dos novos trabalhos dos dramaturgos nativos Victoria Nalani Kneubuhl, Laura Shamas e Eric Gansworth, seguidas de discussões após os espetáculos; uma discussão com o diretor artístico Oskar Eustis e um painel de artistas nativos sobre política e performance, que foi aberto ao público em geral; uma série de sete discussões sobre o ramo do teatro nativo, destinadas a reunir artistas e criar um fórum aberto para se debater temas relacionados ao teatro nativo contemporâneo; e um show da cantora nativa e afro-americana Martha Redbone no Joe’s Pub. Este vídeo, Entrevista com Martha Redbone, faz parte da série de entrevistas conduzidas por Tom Pearson e complementa os arquivos do festival de 2008.

Martha Redbone (Choctaw/Shawnee/Cherokee/Blackfeet) é uma das principais vozes tanto na música soul quanto na música nativa contemporânea. Ela alcançou o reconhecimento através de premiações para ambos os seus álbuns, 'Skintalk' (“Papo de Pele”) e 'Home of the Brave' (“Lar dos Bravos”), incluindo um Independent Music Award na categoria de Melhor Álbum de R&B em 2006; um Best Native American Music Award na categoria de Artista Revelação em 2002; e dois Indian Summer Music Awards consecutivos na categoria de Melhor Álbum de R&B em 2004 e 2005. Ainda em 2005, Martha recebeu o Red Ribbon Award da Parceria Nacional HIV/Aids da ONU pelo seu trabalho comunitário. Atualmente, esta nativa do Brooklyn e filha de um pai afro-americano e de uma mãe Choctaw/Shawnee/Cherokee/Blackfeet está trabalhando no seu terceiro álbum.

Tom Pearson (Creek/Cherokee da Banda Leste) é um escritor e artista atuante em diversas modalidades artísticas, incluindo dança contemporânea, performances de local específico, cinema, arte visual e instalações de grande escala. Pearson tem um mestrado em Estudo da Performance pela New York University/Tisch School of the Arts e atualmente é co-diretor artístico do Third Rail Projects, um grupo de artistas com sede na cidade de Nova Iorque. Ele recebeu o prêmio New York Dance and Performance (Bessie) em 2008 na categoria de coreografia e um prêmio Kingsbury na categoria de obra literária. Os artigos de Pearson sobre a dança e a performance nativas têm sido publicados na Time Out New York Kids, na Dance Magazine, na Dance Spirit e em várias outras publicações online. Além do seu trabalho nas artes contemporâneas, Tom participa também de eventos indígeno-americanos tradicionais como dançarino e cantor.
sexta-feira, 04 março 2011 15:45

Entrevista com Yvette Nolan (2007)

Em dezembro de 2007, como parte do seu Festival de Teatro Nativo, o teatro The Public trouxe para a cidade de Nova Iorque profissionais do teatro nativo de todas as partes dos E.U.A. e do Canadá para uma série de leituras e discussões. O festival, com cinco dias de duração, incluiu leituras de peças, discussões após os espetáculos, shows, mesas redondas e a performance da obra 'Tales of an Urban Indian' (“Contos de um Índio Urbano”), de Darrell Dennis. Este vídeo documenta uma entrevista com Yvette Nolan, conduzida por Randy Reinholz como parte de uma série de entrevistas complementares ao Festival de Teatro Nativo.

Yvette Nolan (Algonquin de Kitiganzibi) é roteirista, dramaturga e diretora. Dentre as suas obras, destacam-se 'Annie Mae's Movement' (“O Movimento de Annie Mae”), 'BLADE', 'Job's Wife' (“A Mulher de Jobs”), 'Video', o libreto 'Hilda Blake' e a peça de rádio 'Owen'. Como dramaturga, ela trabalha por todo o Canadá, mais recentemente como a “dramaturga do festival” para o Festival de Primavera do Saskatchewan Playwrights Centre. Ela foi presidente da União dos Dramaturgos do Canadá de 1998 a 2001 e da Playwrights Canada Press de 2003 a 2005. Ela atualmente é a diretora artística do Native Earth Performing Arts em Toronto.

Randy Reinholz, inscrito como membro da Nação Choctaw, é co-criador e diretor artístico do Native Voices. Ele já dirigiu cerca de cinquenta peças por todas as partes dos E.U.A. e do Canadá, dentre elas ‘The Rez Sisters’ (“As Irmãs Rez”), ‘The Waiting Room’ (“A Sala de Espera”), ‘Proof’ (“Prova”), ‘How I Learned to Drive’ (“Como eu Aprendi a Dirigir”), ‘Hedda Gabler’, ‘Speed the Plow’, ‘The Cherry Orchard’ (“O Pomar de Cerejas”), ‘The Glass Menagerie’ (“A Fauna de Vidro”) e inúmeras produções de peças de Shakespeare. Reinholz foi o diretor e produtor executivo de ‘Urban Tattoo’ (“Tatuagem Urbana”). Além de dirigir e produzir, ele tem co-patrocinado mostras e oficinas sobre a diversidade nativo-americana para a ABC e para a NBC e é anualmente um artista convidado no Instituto Indígeno-Americano de Verão da FOX. Ele recebeu um título de mestrado em Belas Artes da Cornell University e é professor titular de Teatro, Televisão e Cinema na San Diego State University, além de ensinar no Programa de Estudos Indígeno-Americanos.
sexta-feira, 04 março 2011 15:40

Entrevista com William S. Yellow Robe Jr. (2007)

Em dezembro de 2007, como parte do seu Festival de Teatro Nativo, o teatro The Public trouxe para a cidade de Nova Iorque profissionais do teatro nativo de todas as partes dos E.U.A. e do Canadá para uma série de leituras e discussões. O festival, com cinco dias de duração, incluiu leituras de peças, discussões após os espetáculos, shows, mesas redondas e a performance da obra 'Tales of an Urban Indian' (“Contos de um Índio Urbano”), de Darrell Dennis. Este vídeo documenta uma entrevista com William S. Yellow Robe, Jr., conduzida por Hanay Geiogamah como parte de uma série de entrevistas complementares ao Festival de Teatro Nativo.

William S. Yellow Robe, Jr. tem escrito peças há mais de trinta anos. Ele é membro das tribos Assiniboine/Sioux da reserva indígena de Fort Peck, localizada no nordeste de Montana. Ele foi o primeiro dramaturgo Assiniboine a receber o prêmio 'First Book' na categoria de drama, um prêmio/bolsa de estudos Princess Grace (bolsa de estudos em Teatro), uma bolsa de estudos Jerome e um prêmio por excelência da New England Theater Conference Award. A sua peça de duração integral 'Grandchildren of Buffalo Soldiers' (“Netos dos Soldados de Buffalo”) concluiu a sua turnê nacional, produzida pela Penumbra Theater Company e pela Trinity Repertory Company. Yellow Robe é um dramaturgo com obras publicadas, um poeta e um escritor de contos de ficção. Ele é ator e diretor. É também membro da Ensemble Studio Theater, da Penumbra Theater Company e do Conselho Consultivo do Red Eagle Soaring Theater Company e da Missoula Writer's Collaborative.

Membro das Tribos Kiowa-Delaware de Oklahoma, Hanay Geiogamah é professor de Teatro no Departamento de Teatro, Cinema e Televisão da University of California at Los Angeles (UCLA). Geiogamah é também o diretor do Centro de Estudos Indígeno-Americanos da UCLA e tem atuado, nos últimos dez anos, como principal pesquisador do Projeto HOOP, uma iniciativa nacional com o objetivo de promover o desenvolvimento do teatro e das artes performáticas nativo-americanas. Com uma extensa formação em Teatro como diretor, dramaturgo e produtor, ele está ativamente envolvido nos estudos e na pesquisa indígeno-americana e atua como diretor artístico fundador do internacionalmente aclamado American Indian Dance Theater. O professor Geiogamah foi produtor sênior da série documental em duas partes entitulada 'Indian Country Diaries' (“Diários do País Indígena”), transmitida nacionalmente pela rede PBS em novembro de 2006 como uma produção do Native American Public Telecommunications Consortium. Em março deste ano, ele encenou as sequências de dança para a ópera 'Wakonda's Dream' (“O Sonho de Wakonda”), no Opera Omaha, que foi muito elogiada pela crítica, atuando como artista convidado para as performances de estréia, com membros do American Indian Dance Theater. Geiogamah é autor e editor de inúmeros livros e artigos sobre o teatro e as artes performáticas nativo-americanas e atua como editor de séries no Native American Theater Series, do editorial do Centro de Estudos Indígeno-Americanos da UCLA. A sua primeira coletânea de peças, 'New Native American Drama' (“O Drama Nativo-Americano Moderno”), é publicada pela editorial da University of Oklahoma e tem sido impressa há 27 anos.
Pág. 2 de 5