História

O Instituto Hemisférico de Performance e Política foi concebido, em 1998, pelos Professores Diana Taylor (NYU), Zeca Ligiéro (Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro, Brasil), Javier Serna (Universidad Autónoma de Nuevo León, Mexico) e Luis Peirano (Pontificia Universidad Católica del Perú), a fim de expandir metodologias para a análise da prática do corpo e energizar a pesquisa sobre as práticas compartilhadas nas Américas. Com sede no Departamento dos Estudos da Performance da Tisch School of the Arts, na NYU, em 1998, o Instituto recebeu uma bolsa de planejamento inicial da Fundação Ford. Logo em seguida, ofereceu seu primeiro curso ("A Conquista," 1999) e realizou seu primeiro Encontro (Rio de Janeiro, Brasil, 2000).

O ímpeto inicial era criar um consórcio de instituições que abrigasse acadêmicos interessados na intersecção da performance e política nas Américas e construísse coleções de mateirais acadêmicos e artísticos para pesquisa e ensino. Os participantes trabalharam juntos para dividir materiais e metodologias e construir capacidade tecnológica em instituições sócias a fim de possibilitar o ensino em colaboração através das fronteiras. Quandos os primeiros esforços tornaram-se reais, o Instituto Hemisférico começou a desenvolver um arquivo com materiais de pesquisa e treinar estudantes de mestrado dentro de um espaço multilíngüe e de colaboração. Esses alunos também desenvolveram tecnologias de informação que fizeram expandir enormemente suas habilidades para a produção de conhecimento em colaboração e para a comunicação de seus achados para platéias hemisféricas.

Desde seu início, o Instituto tem desenvolvido redes em expansão através das Américas. Ao começar com o primeiro Encontro no Rio de Janeiro, em 2000, os Encontros já foram realizados em Monterrey, México, Lima, Peru, Nova York, Belo Horizonte, Brasil e Buenos Aires, Argentina, em pareceria com instituições como o Centro Cultural Recoleta, a Uni-Rio, e a UFMG, para mencionar apenas algumas. Estas conferências/festivais transformaram-se em eventos bianuais de grande proporção com quase 500 participantes vindos das Américas. O Encontro de 2009 acontecerá na Universidad Nacional de Colombia em Bogotá. Atualmente, o Instituto tem quinze universidades-membros nos Estados Unidos e já desenvolveu pareceria com importantes organizações de Nova York como El Museo del Barrio, The Culture Project, La MaMa, e The Bronx Academy of Arts and Dance (BAAD). Nossa revista acadêmica on-line, e-misférica, já publicou nove números apresentando trabalhos originais sobre tópicos como A Performance e a Lei, Performance Aborígine, Sexualidades nas Américas, Emoção e Performance, e Body Politics/Corpografías/Corpografias, possibilitando perspectivas comparativas e de colaboração sobre performance e política em todo o hemisfério. Em 2008, o Instituto Hemisférico inaugurou o Centro Hemisférico/FOMMA, seu primeiro centro cultural e de pesquisa regional, localizado em San Cristóbal de las Casas, no estado mexicano de Chiapas. O Centro Hemisférico/FOMMA é um projeto de colaboração com a La Fortaleza de la Mujer Maya -- um grupo de teatro coletivo de mulheres Maias e uma ONG --, com o apoio da NYU e da Fundação Ford.

Durante todo este tempo, o Instituto também construiu uma base administrativa sólida na NYU. Inicialmente, era um projeto dentro do Departamento dos Estudos da Performance na Tisch School of the Arts, mas agora o Instituto se beneficia do apoio e colaboração de várias faculdades dentro da NYU, incluíndo a College of Arts and Sciences (Faculdade de Artes e Ciências) e a Steinhardt School of Culture, Education and Human Development (Faculdade de Cultura, Educação e Desenvolvimento Humano Steinhardt), com a participação de seu corpo docente e estudantes de Antropologia, Estudos da Performance, Artes, Estudos Visuais, Estudos de Cinema, Espanhol e Português e o Center for Latin American and Caribbean Studies (Centro de Estudos Latino-Americanos e Caribenhos). Em 2007, o Instituto recebeu uma bolsa da Fundação Ford e tornou-se uma iniciativa universitária, com sua administração localizada dentro do escritório da Provost.

Nos últimos anos, o Instituto Hemisférico também diversificou suas fontes de apoio financeiro. A mais importante foi a bolsa oferecida pela Andrew W. Mellon Foundation para o Instituto e as Bibliotecas da New York University para a criação da Biblioteca Vídeo Digital do Instituto Hemisférico (HIDVL), a primeira coleção mundial e permanente de vídeos de práticas performáticas das Américas. Juntamente com a capacidade de digitação de primeira linha, este arquivo também possui agora mais de quinhentas horas de vídeo digital e materiais de apoio em três idiomas que estarão a disposição de acadêmicos, artistas e platéias interessadas através de seu website. Com o apoio do The Rockefeller Brothers Fund, o Instituto recentemente lançou a iniciativa Hemisférico Nova York. Através de performances e oficinas públicas, um programa de artistas emergentes, e a colaboração com instituições culturais locais, a iniciativa Hemisférico Nova York procura ressaltar os encontros hemisféricos e a vitalidade artística que fazem da cidade de Nova York o maior cruzamento cultural das Américas.

Patrocinadores

Desde 2007, o Instituto Hemisférico está administrativamente sediado no “Office of the Provost” (Escritório do Provost) na New York University. Continua recebendo apoio institucional do Departamento dos Estudos da Performance, da Tisch School of the Arts, da Faculdade de Artes e Letras, da Steindhardt School of Culture, Education and Human Development (Escola de Cultura, Educação e Desenvolvimento Humano Steindhardt), O Gabinete do Vice Presidente para Assuntos Acadêmicos, das bibliotecas da NYU, do Conselho da Área de Humanidades da NYU, do gabinete do Reitor das Atividades Globais, do centro Juan Carlos de Espanha, e do Escritório dos Serviços da Tecnologia de Informação.

Desde sua criação, o Instituo já recebeu generoso apoio financeiro da Ford Foundation, primeiramente através da sua iniciativa “Crossing Borders” (Cruzando Fronteiras) e mais tarde de seu programa “Media, Arts and Culture” (Mídia, Arte e Cultura). O Instituto também já recebeu apoio finaceiro da Rockefeller Foundation, da Andrew W. Mellon Foundation e do The Rockefeller Brothers Fund. O Instituto também recebe apoio de suas instituições-membros nos Estados Unidos, Canadá e América Latina, de diversas institutições culturais, de milhares de acadêmicos, artistas e ativistas políticos que contribuem para que seu trabalho tenha sido possível desde 1999.

FaLang translation system by Faboba